terça-feira, 15 de setembro de 2009

Desisti de Você




Desisti de você

E não há nada capaz de compensar essa ausência da dor


Antes, não me vestia de alegria

Nem eram suaves as manhãs

As quinas e cantos padeciam com o sal das minhas lágrimas

Como a faltar de ar que sua ausência causava.


Ah...


“Há flores agora, não há?”

Tento dizer isso a mim numa constante quase doentia

Rasgando em vísceras todas as lembranças

Tentando não deixar nenhuma

A menor que seja

“Há flores agora, não há?

Imponho de maneira quase doentia.

Eu sei, eu sei...


Desisti...

E os sentimentos vasculham em meu peito o vazio

Encontram um silêncio que deseja falar, agonizante em sua triste condição

Dizer que decidi morrer a padecer

Tolo que sou em fugir da angústia por causa de flores que só enfeitam as manhãs

Tolo ao preferir a morte de você em mim

Recusando o prazer da agonia, da angústia e da dor a dilacerar o peito que sobrevivia

Sobrevivia...

Vivia.


Havia vida em mim

Agonizante, mas era vida



Wanderson Lana

7 comentários:

Darci Junior disse...

qual sera melhor, sobreviver ou viver?? desstir as vezes é o caminho mais facil, mais doloroso, mais justo o meio mais covarde de esconder nossas fraquessas e sentimentos... Nunca desista, apenas adie o momento e enquanto esse momento não chega, apenas senta e assista a vida como uma peça de teatro.

Boo disse...

Gostei bastante e na hora lembrei dessa parte dos dragões...
=)

"[...]No turvo seco de uma casa esvaziada da presença de um dragão, mesmo voltando a comer e a dormir normalmente, como fazem as pessoas banais, você não sabe mais se não seria preferível aquele pântano de antes, cheio de possibilidades - que não aconteciam, mas que importa? - a esta secura de agora. Quando tudo, sem ele, é nada".

Bjus

Wanderson Lana disse...

Verdade. Gosto muito desse conto. Me identifico.

Rafaela disse...

Wandersooon... você é divo! Muito lindaa mesmoo. Adoreei.

Marisa disse...

Aii que lindo! Vc escreve muito bem Wanderson

Marly disse...

Gosto muito do que escreves, parabéns, bjo

Jhonathan disse...

Gostei...
me lembra de situações parecidas...
é triste demais...
o poema nos faz pensar, e lembrar q todos estamos em perigo, pois ninguém está livre de sentir isso...