sexta-feira, 2 de julho de 2010

Cachorros e asas


Houve um tempo onde cachorros vertiam asas,

E sem nenhuma dificuldade, conseguiam nos erguer no vôo.

Preocupados com o gozo, aquém da prudência... Atreviam-se ao mais alto possível.

E lá, onde os pés sempre quiseram tocar sem asas, não se atreviam a nada,

Fiéis, comemoravam um desejo inerente a si...



Este tempo, tempo dos cachorros de asas,

Chovia sempre no fim da tarde, quando o sol, gigante, quase embalado nas montanhas, ameaça desfalecer.

Assim fraco, permitia o perpetuar das poças,

E minha infância corria, mergulhava em sua profundidade rasa e irrelevante.

- Livre...

Escutava latidos formarem sons e fugir.

Enleado, a infância então desprendia e também era som.



Tempo em que podia voar e voltei,

Tempo em que podia falar sem vergonha,

Tempo em que se tinha tempo e o tempo era seu.

Tempo onde cachorros vertiam asas e não negavam o céu...

Tempo a favor, que hoje vento, sopra contra e enruga a face.

Tempo...



Minha infância corre entre poças...

Sorri, solto, e late para um cachorro que... Pode voar o cachorro.

Distantes, mas ali, causando a ilusão de ainda existir.

Num tempo em que podia voar e voltei.



Wanderson Lana



7 comentários:

Jhonathan disse...

Muito lindo... nos remete a um tempo de fantasias, a nossa infância. Um tempo em que sonhos parecem tão reais, tudo parece tão simples, vemos coisas que nos fazem sonhar, imaginar; assim é com os cachorros e asas, nada melhor que a fantasia e inocência de uma criança... Hj temos que tomar cuidado com cada palavra que proferimos, com cada ação do nosso dia-a-dia. Não há espaço para sonhos, não há espaço para fantasias.

Giovanna disse...

Gostei bastante, a imagem é bonitinha também!...rs

A infância nem é tão legal assim, nós que ainda éramos muito limitados e ignorantes sobre a vida... mas existe quem diga que a ignorância é uma benção né, já eu acho que é sina! haha

Acho que prefiro a infelicidade de um amplo conhecimento cultural burguês =P

Victor Martins disse...

Tempo de relembrar a infancia...

Gostei...
hehe

Darci Junior disse...

As vezes as melhores épocas passam voando e nem nos tocamos disso... Relembrar a infância é bom, faz a gente ver o quanto eramos felizes e não sabíamos.

Rafa Salomão disse...

Wandersoon.
Você escreve lindamente... perfeitamente... invejadamente... muito lindo mesmo. É o melhor diretor e dramaturgo do muuundoo. Merece tudo de melhor. E vai ter. Wanderson liindo!

Te amo, guri.

Dionathan disse...

Bonito conto, mas o que chama a atenção logo de inicio é a Imagem, Wanderson você foi muito feliz nesse conto a começar pela Imagem !

Anônimo disse...

Não sei o que dizer... [acho que concordo com a Giovanna]